Itens compartilhados de Juliano

segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Feliz ano novo!!!

Aqui vamos nós para o ano do rato!
Vou sair daqui a pouco para passar meu réveillon em Jonggak como alguns outros milhões de coreanos e estrangeiros.
Tradicionalmente o ano novo coreano é marcado com o toque do sino mais tradicional de Seul, o que dá o nome à região de Jonggak (que significa "Pavilhão do Sino"), o sino que era usado como alarme de invasões, incêndios e boas-novas também na Seul dos reis da Terra da Manhã Tranqüila de outrora.
Hoje em dia, Jonggak nada mais é do que uma construção antiga no meio do mar de arranha-céus da Seul moderna e (quase-)cosmopolita, somente lembrado no dia 31 de dezembro, quando as "otoridade" e alguns artistas vão lá para participar da cerimônia milenar (essa sim é milenar!) do toque do sino. Tudo bem que a data do ano novo mudou para seguir o mundo ocidental, mas tradicionalmente o ano novo lunar também é muito festejado por aqui. Esse fica para daqui a dois meses em fevereiro, mais especificamente no dia 7 de fevereiro, quando celebraremos de verdade a chegada do ano do rato. Por enquanto, vai ser só a passagem do ano solar.
Aí embaixo vai um videozinho que eu achei na internet de alguém que vez este programa no ano passado. Daqui a algumas horas eu ponho o meu.
Um grande abraço a todos e muitas felicidades no ano que está chegando!

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

FELIZ NATAL! HO HO HO

Estou muito feliz!!!
Primeiro de tudo, feliz natal a todos!
No meu caso, mais do que feliz, meu natal foi divertido e... gostoso!
Fomos à ilha de Nami (Nam-i seom), um lugar muito famoso na Coréia por causa de uma novela que teve (para os nipófilos, 冬のソナタ). Alugamos uma casa por uma noite e fomos 14 pessoas passar a noite por lá.
Foi muito muito muito divertido.
Yulia, do Uzbequistão, preparou um frango muito bom e, literalmente, "salada russa", a nossa conhecida maionese, a qual os russos chamam de "olivier" (pronunciado à la française com sotaque russo, é claro).
Roberta, da Itália, preparou espagueti com conchas (não sei como se chamam em português), e lula recheada com atum (que estava muito bom!!!).
Eun Bee preparou patê de atum (ela já vai receber diploma de patezeira profissional, faz patê a três por dois...) que também estava muito bom.
Fora isso, estávamos na presença de russos e adjacentes (Rússia, Bulgária, Uzbequistão), germânicos (Áustria, Alemanha, e de um certo ponto de vista, França), "latinos" (Itália, e de um certo ponto de vista, França) e "neo-latino", eu do Brasil, além, é claro, de representantes do hemisfério oriental, da terra onde estamos, Coréia. E, por isso, obviamente, não faltou o que beber.
Eu fiquei em pé até umas 3, depois de comer e beber e fui tentar me deitar. No melhor estilo coreano, a casa tinha aquecimento no chão, e não tinha cama, todo mundo dorme no chão mesmo. O problema é que o "bendito" chão estava queimando de tão quente!!! Não dava pra dormir. Depois de tentar em vão por uns 30 minutos, resolvi sair de casa pra tomar uma fresca fora... Sob um frio abaixo de zero que se fazia sentir como uma gostosa brisa marítima na praia do Mucuripe em Fortaleza, extremamente refrescante... Não dava pra dormir naquele chão de mais de 40 graus.
Depois de muito ponderar, resolvemos estender uns 6 edredons no chão (na Coréia não se usam colchões normalmente), um em cima do outro, só para tentar cortar o calor que subia do piso; mesmo assim ainda dava pra sentir. Pelo menos, consegui dormir por algumas horas.
Depois, na volta, tomamos o trem para Seul que estava, obviamente, lotado. Não nos preocupamos: sentamos na porta mesmo, começamos a beber cerveja, a cantar e a falar merda... eu, Oleg (russo), Roberta (italiana) e Sofia (búlgara). Nem vimos passar a viagem de uma hora.
Chegamos agora há pouco e aproveitei para ver se minhas notas já haviam saído e qual não foi minha surpresa quando, depois de muito procurar pelo site (foi a minha primeira vez na nova faculdade...), eu encontrei e achei: 3.76!!!
Para nós, brasileiros, parece pouco, né? Mas não!!! He he he!!! São 3.76 em 4! Isso dá 94% de aproveitamento! Ah... que alívio! Isso me poupou de ter que pagar o curso no semestre que vem! Pois é. Aqui é assim: se não conseguir média de 3, tem que pagar. Agora deu pra sentir que eles realmente fazem um pouco de vista grossa com os estrangeiros, hehe. Também porque eu descobri que o governo que me paga para estudar aqui, também paga meu professor orientador para "tomar conta de mim". E vocês acham que ele quer perder essa "boquinha"? Nem matando! He he he!
E tendo dito, que viva a Coréia! E feliz natal para quem está aí no Brasil!
Muitas felicidades e até o próximo post.

Juliano

PS: Papai Noel existe! ;)

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

domingo, 16 de dezembro de 2007

Quase nos finalmentes

Oi, gente!
Faz muuuito tempo que eu não escrevia aqui no blog. Tudo graças à época de provas, trabalhos, apresentações, etc, etc. Não foi fácil, não. Apesar de eu ter apenas 3 matérias, eu me sinto como se tivesse dez.
Tudo começou um pouco mais de um mês atrás, quando tive que começar a preparar minha apresentação de sintaxe a respeito de "Retomada, Ciclicidade Sucessiva e Localidade de Operações" na língua irlandesa. O texto tinha umas 50 páginas e, por ser longo, foi dado a duas pessoas: eu e uma menina chinesa. O problema é que essa menina não entende quase nada de inglês e, durante todas as vezes em que nos encontramos, ao invés de discutirmos a respeito do texto, eu tinha que (tentar) traduzir o texto junto com ela. Ficamos mais de 30 horas só na metade do texto e eu tive só uma noite para preparar a minha parte, que era a outra metade. Foi uma beleza. E o melhor, é que na noite anterior à apresentação, ela me mandou o que ela preparou e aí me dei conta que ela tinha feito um capítulo a menos do que havíamos combinado, sobrando para mim entender e explicar o que ela deixou pra trás. E, para completar, eu tinha pegado gripe e estava me sentindo péssimo.
No dia seguinte, foi feita a apresentação e eu me surpreendi, porque esta professora, durante todas as outras apresentações dos outros alunos, sempre interrompia e explica isso ou aquilo, mas durante a minha, ela ficou quietinha e só balançava a cabeça concordando com o que eu dizia. Fiquei surpreso com isso, e mais ainda quando no final ela se virou pra mim e disse: "muito boa apresentação, viu?". Fiquei bem feliz com isso, e levantou meu ânimo para enfrentar as 3 semanas "maravilhosas" que me esperavam pela frente.
Na segunda-feira passada, tive uma apresentação na matéria de Lingüística Computacional Prática, onde falei sobre uma linguagem atualmente em criação por pesquisadores da Universidade do Minho para a criação de ontologias. Depois, na quarta, tive a prova final da matéria de Lingüística Computacional Teórica. Essa foi de amargar. Apesar de ter estudado, não me lembrava das fórmulas para a aplicação na hora da prova. Na verdade, as provas deste professor, que, diga-se de passagem, é meu orientador, são o ó. Na hora das aulas, ele passa como uma borboleta pela matéria, "explicando" (pelo menos é o que eu acho que ele acha que está fazendo), lendo as apresentações de power point que ele chupinha prontas de alguma universidade dos Estados Unidos, e, na hora da prova, ele pede pra gente dar os valores (calculados na mão com uma calculadora) que o programa daria se estivesse rodando no computador. Isso é o cúmulo. Para um resultado de cinco linhas de programa, o que o computador levaria menos de um segundo para rodar, nós levamos muitos e muitos minutos para digitar na calculadora e escrever passo-a-passo, o estado do programa ao fim de cada operação. Outra, se fosse apenas uma ou duas questões desse tipo, até que vá lá, mas foram umas oito! Haja paciência... Além disso, ele nos deu apenas duas horas para fazer tudo isso. Depois de acabar o tempo, e ninguém ter conseguido terminar, ele acabou dando mais meia hora. No final, nem sei o que esperar dessa prova.
No dia seguinte, tivemos uma prova de sintaxe. Também oito questões para serem resolvidas em 3 horas. Até aí, tudo bem porque era prova de consulta. O problema é que quando eu terminei de responder todos os 6 ítens da primeira questão já havia passado uma hora e meia... Comecei a correr, mas ao término das 3 horas, a professora chegou e ninguém tinha feito nem a metade. Ela então disse que poderíamos ficar até às 6 da tarde, que era quando ela sairia da universidade. Depois de 5 horas de prova e mais de 10 páginas (A3) escritas à mão, eu havia conseguido terminar uns 90% da prova. Mais que isso eu não conseguia fazer, não sei se por ignorância das respostas ou por fastio mesmo de escrever tanto sem descansar. O cérebro já não funcionava mais como deveria...
Logo depois dessa aventura digna de um recorde no livro do Guiness, reunimo-nos, eu mais os dois caras que trabalham comigo no Laboratório de Lingüística Computacional, e um menino e uma menina que trabalham no Centro de Pesquisa de Sintaxe para irmos comemorar nossa sobrevivência a um episódio tão singular. Fomos ao bairro mais próximo da universidade e entramos num restaurantezinho para comer frango (que não estava mal, apesar de seco de tão cozido...) e mandamos ver na cerveja. Depois, fomos a um outr restaurante especializado em caracóis chamados "sora" e "golbengi" muito utilizados durante a bebedeira de soju, a bebida nacional coreana. Além disso, no final, ainda resolveram pedir "kijoge", uma concha parecida com mexilhão mas tamanho-família, com molho e queijo mussarela, assada na brasa.
Nem preciso falar em que que deu essa mistureba no meu bucho, né? Principalmente depois de pegar mais de 40 minutos de metrô sacolejante de volta para casa e passar três estações depois da que eu teria que descer às 12:45, sendo que meu dormitório fecha as portas à uma hora, né? Nem preciso falar... Mas, no final das contas, pelo menos consegui pegar um táxi, sair correndo e alcançar as portas abertas. Pelo menos consegui dormir na minha cama quentinha...
Vou ficando por aqui hoje, porque estou com muito sono e amanhã tenho minha última aula deste semestre. Volto em breve.

PS: Aí vai um videozinho do segundo lugar, com o Munhyeong comendo caracóis, o Sangcheol falando "Tá bom" (que é marca de suco de laranja aqui) e a Suyeong perguntando como se fala Brasil em "brasileiro"...

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Oi, gente!

Ainda estou vivo, apesar de estar no meio da época de provas. O negócio tá feio, mas nóis vai levando devagarzinho. Ontem tive mais uma apresentação. Fiquei até muito feliz com o resultado, porque esta professora, normalmente não deixa um aluno falando sozinho durante toda a apresentação, ela sempre interrompe e explica o que devia ser explicado. No meu caso, ela ficou durante todo o tempo que falei (acho que quase uma hora) sentadinha, balançando a cabeça e confirmando o que eu falava. No final, ela olhou pra mim e disse: "Muito boa sua apresentação". Isso me deixou muito feliz!!! ^o^/
Agora na próxima semana vai ser prova dela, um dia depois de uma outra prova animal. Não sei como vou gerir meu tempo, mas tenho que dar um jeito...

Só pra descontrair, peguei os textos da primeira página do meu blog e joguei em um gerador de frases aleatórias, o qual utiliza "Markov Chains" que é o que eu estou estudando agora e este foi o resultado:

"# Tô cansado pra dedéu, e já não me lembro direito de uma semana toda que eu tinha tirado no máximo uns 40! Fiquei muito feliz com isso!^^ Valeu o dia!^^ Mas aí acabam-se as luzes, o pano da cortina desce e meu dia acaba. PUM. O negócio é que, quando tomo a prova e você tem que escrever tim-tim por tim-tim o que eu fiz nos últimos dias. Tentei usar de tudo aquilo (falando, não comentando ou explicando ou elucidando ou ensinando; falando), depois ouvimos apresentações de outros alunos q leram os textos extras, que - por coincidência - tbm só mencionam o q leram. O professor faz um-hum e beleza! A aula tá dada e até a próxima. Acho q dava pra fazer um curso de pós-graduação aqui na Terra da Manhã Tranqüila (ou seria Serena? Em português não sei como é que fica... e também não tenho tempo de pensar agora.)."

Já que não dá pra eu escrever, resolvi reescrever o já escrito de uma nova forma para uma releitura pra quem não leu... :p

Pois é, por hoje é só, pessoal.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Neve!

Acabei de ver a primeira neve do ano!
Apesar de ainda estar meia-boca, isto é, neve que já está quase derretendo, pra um brasileiro é neve!
Até a semana passada não estava tão frio, mas de uns 3 dias pra cá a temperatura despencou com -6 graus hoje. A partir de amanhã sobe um pouquinho, mas daqui para a frente é cada vez mais pra baixo. hehe
Amanhã vou ter minha primeira aula pelo programa do CCAP (Cross Cultural Awareness Program) da Unesco. É um programa de trabalho voluntário no qual um "professor" estrangeiro vai a uma escola de 1º grau (principalmente) e fala sobre a cultura do seu país. Acho que vai ser legal.
Depois eu conto, tá?

Agora eu vou sair pra brincar um pouquinho!!! hehehe

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Dois ícones "J"pops travam um combate mortal...

Com vocês Guitar-Samurai (ギター侍) e Crayon Shinchan (クレヨンしんちゃん):


Essa veio d'além-mar... Mar do Leste por aqui, Mar do Japão por lá...

Tem trem mais doido que este???

Fluido não-newtoniano:


E outro:

Jadu - a banda mais gastronômica da Coréia!!! E Muhandojeon: a Coréia em "Pânico"

Kimbab:


몇십년 동안 서로 달리 살아온 우리
달라도 한참 달라 너무 피곤해
영화도 나는 멜로 너는 Action
난 피자 너는 순두부

Nós que vivemos separados por umas décadas
Mesmo diferentes, estou cansada de ficar longe
Mesmo nos filmes, gosto de drama, você de ação
Gosto de pizza e você de "sundubu" (comida bem típica coreana)

그래도 우린 하나 통한 게 있어 김밥
김밥을 좋아하잖아
언제나 김과 밥은 붙여 산다고
너무나 부러워 했지

Mesmo assim temos uma coisa em comum: kimbap
Você não gosta de kimbap?
Você não ficou com vergonha quando disse que
quero viver grudado como o arroz e a alga (do kimbap)?

잘 말아줘 잘 눌러줘
밥알이 김에 달라 붙는 것처럼
너에게 붙어 있을래
날 안아줘 날 안아줘
옆구리 터져 버린 저 김밥 처럼
내 가슴 터질 때까지

Me enrola direitinho, me aperta direitinho
Assim como os grãos de arroz com a alga
Eu quero ficar grudada em você
Me abraça, me abraça
até meu peito explodir
como aquele kimbap que ficou com o lado partido

예전에 김밥 속에 단무지 하나
요새 김치에 치즈 참치가
세상이 변하니까 김밥도 변해
우리의 사랑도 변해

Antigamente só tinha um danmuji dentro do kimbap
hoje em dia, kimchi, queijo e atum.
Já que o mundo muda, o kimbap também muda
e o nosso amor também

잘 말아줘 잘 눌려줘
밥알이 김에 달라 붙는 것처럼
너에게 붙어 있을래
날 안아줘 날 안아줘
옆구리 터져 버린 저 김밥처럼
내 가슴 터지게 해

Me enrola direitinho, me aperta direitinho
Assim como os grãos de arroz com a alga
Eu quero ficar grudada em você
Me abraça, me abraça
até meu peito explodir
como aquele kimbap que ficou com o lado partido

널 사랑해 널 사랑해
세상이 우릴 하나 놓을 때까지
영원히 사랑 할꺼야
끝까지 붙어 있을래

Eu te amo, eu te amo
até que o mundo deixe só um de nós dois.
Vou te amar pra sempre.
Quero ficar grudada até o fim.

Shiksa buto haseyo:


일찍 오셨네요 피곤해 보이네요
아무리 힘들어도 챙길건 챙기세요
식사부터 하세요

Ah, você chegou cedo! Parece cansado!
Mesmo sendo cansativo, dê uma jeito no que tem que ser arrumado.
Comece pela refeição.

언제나 바쁘네요 정신없어 보여요
모든걸 내려놓고 주위를 둘러봐요
빨리전화 하세요

Ah, você está sempre ocupado! Parece chateado.
Tenta deixar um pouquinho as coisas de lado, desligar-se um pouco.
Faz um telefonema rapidinho.

참~사는게 힘겹더라도 다~누구나 그렇잖아요
늘~옆에서 응원할께요
오빠 오빠 나는 오빠를 믿어요

Bem, mesmo que ache que seja muito difícil viver. Todo mundo pensa assim, não é?
Eu vou ficar sempre do lado torcendo.
Gato, gato, acredito no meu gato! (Sei lá como se traduz "oppa"... Significa "irmão mais velho", mas é a palavra que as meninas usam pra chamar seus namorados...)

참~인생이 지겹더라도 다~누구나 그렇잖아요
늘~그자리를 지켜주세요
오빠 오빠 나는 오빠를 믿어요

Bem, mesmo que você ache que a vida seja cansativa. Todo mundo pensa assim, não é?
Sempre tome conta desse lugar.
Gato, gato, acredito no meu gato!

배고픈데 밥은 먹어야지 근데누가 밥을 사줘야지
사방팔방 둘러보아도 내편은 어디? 여기 OK

Se está com fome, tem comer. Mas quem vai comprar comida?
Mesmo tentando ir para outros cantos, onde é meu lugar? Aqui. OK!

해가 넘어 갔어요 캄캄한 밤이네요
할 일이 쌓였어도 챙길건 챙겨야죠
식사부터 하세요

O sol já se pôs. Que noite escura!
Mesmo com um monte de trabalho atrasado, o que tem que ser feito tem que ser feito.
Comece pela refeição.

언제나 바쁘네요 정신없어 보여요
모든 걸 내려놓고 주위를 둘러봐요
빨리 전화 하세요

Ah, você está sempre ocupado! Parece chateado.
Tenta deixar um pouquinho as coisas de lado, desligar-se um pouco.
Faz um telefonema rapidinho.

참 사는게 힘겹더라도 다 누구나 그렇잖아요
늘 옆에서 응원 할께요
오빠 오빠 나는 오빠를 믿어요

Bem, mesmo que ache que seja muito difícil viver. Todo mundo pensa assim, não é?
Eu vou ficar sempre do lado torcendo.
Gato, gato, acredito no meu gato!

참 인생이 지겹더라도 다 누구나 그렇잖아요
늘 그 자리를 지켜주세요
오빠 오빠 나는 오빠를 믿어요

Bem, mesmo que você ache que a vida seja cansativa. Todo mundo pensa assim, não é?
Sempre tome conta desse lugar.
Gato, gato, acredito no meu gato!

어두워진 그대 모습 잃어버린 그대 미소
오빠 모습 아니잖아 이젠 모두 날려버려요~~

Eu vejo você triste... Seu sorriso perdido
Essa não é sua fisionomia. Agora joga tudo pro ar!

하나 둘 셋~
1, 2, 3!

자~이제는 행복할꺼야 다~정말로 행복할꺼야
늘~옆에서 응원할께요
오빠 오빠 나는 오빠를 믿어요

Agora vamos ser felizes! Os dois vamos ser felizes de verdade!
Vou ficar sempre do seu lado torcendo.
Gato, gato, acredito no meu gato!

참 인생이 지겹더라도 다 누구나 그렇잖아요
늘 그 자리를 지켜주세요
오빠 오빠 나는 오빠를 믿어요

Bem, mesmo que você ache que a vida seja cansativa. Todo mundo pensa assim, não é?
Sempre tome conta desse lugar.
Gato, gato, acredito no meu gato!

Ô loco, que fome, meu!

Muhandojeon:

Esse pessoal faz muuuito sucesso, 유재석 Yu Jeseok, o cara de óculos, ouvi dizer que ganha 40.000.000 de wons por mês (uns 80.000 reais)... Eu já taria feliz com 8000...

E aqui está uma das pérolas deles:

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Oi, gente^^ Lembram-se da prova?

Tudo bem com vocês? Espero que sim...
Eis-me aqui às 5 da manhã, revirando-me pra lá e pra cá pra terminar de escrever uma "prova" para hoje às 13hs. Espero que seja a última noite que eu tenha que virar por um bom tempo a partir de agora. Pelo menos até o fim do semestre... hehe
Pois é.
Hoje, muitas coisas aconteceram aqui na terra da Manhã Tranqüila (acho isso um absurdo, já que a Coréia é o país do ppali-ppali). Bem, levantei-me cedo depois de dormir por 4 horas, tomei meu desjejum (acho essa palavra divertida) e tentei escrever algo, mas como teria aula às 4 da tarde na SNU, resolvi sair mais cedo e lá fui para o metrô alegre e saltitante. Chegando à facu, botei minha papelada toda pra fora da mochila, esparramei pelas mesas do laboratório, e pus-me a escrever minhas humildes linhas em busca do conhecimento sintáCtico. Passado um tempo, chegou a tão esperada hora da aula de Lingüística Computacional, a primeira aula depois da prova (aqueeela prova, lembra?). Chegando lá, a primeira coisa que o professor comenta é exatamente isso. E põe-se a distribuir as danadas (e todo mundo com uma cara bem jururu). E não é que, quando tomo a prova em minhas mãos, vejo em números escritos em escarlate: setenta e cinco! Nóssinhora! Nem acreditei! Por mim, eu jurava que eu tinha tirado no máximo uns 40! Fiquei muito feliz com isso!^^ Valeu o dia!^^
Mas aí acabam-se as luzes, o pano da cortina desce e meu dia acaba. PUM.
O negócio é que, chegando eu faceiro em casa, pronto para pôr a mão na massa e terminar de uma vez por todas essa prova, abro a mochila e... cadê minhas anotações??? Ficou tudo no laboratório... Abre a mochila de um lado, abre de outro, vira de cabeça pra baixo.... nada. Só o livro (pelo menos isso, né?) e alguns textos que eu estava pensando em usar amanhã pra finalizar. Bom, como diria a Amélia: "o que se há de fazer?" Dirigi-me a meu trono, sentei-me, e pus-me a dedilhar o teclado do computador à busca do rascunho do trabalho, quando de repente, não mais que de repente, lembro-me que havia gravado o arquivo no meu pen drive, memory stick, usb, ou o que quer que você chame esse trocinho (o qual um amigo meu só chama de "pistolinha")(acabei de matar um pernilongo, mas isso não vem ao caso) e... esqueci o bendito plugado, bonitinho, no computador da faculdade. Fazendo companhia pros papéis que eu esqueci por lá, né? Não é bonitinho?
Pois é. (Hoje merece até repetição de "Pois é.")
Cá estou eu, às cinco e tanto da madrugada, esmigalhando meu cérebro pra poder escrever alguma coisa que preste nessa abençoada prova, já que vou ter de entregá-la às TREZE horas... Olha que eu não tinha pensado nisso... Será que é por isso que me deu azar?^^
Bom, como eu gastei todo meu cérebro, eu tô usando só os dedos pra escrever pro 6 aqui no blogue, repara não, viu, moço? Tô cansado pra dedéu, e já não me lembro direito de uma semana toda que eu consegui dormir pelo menos mais que 6 horas por noite. Ultimamente, nem isso... Se fosse assim, eu estaria alegrinho, alegrinho...
Mas, se mesmo assim você ainda acha que vale a pena sair do Brasil e tentar fazer um curso de pós-graduação aqui na Coréia, com tudo pago e quase algumas mordomias, prepare-se: fiquei sabendo que pra o ano (como dizem lá no interior), o governo coreano abriu 1000, isso mesmo, Sílvio!, MIL vagas para bolsistas estrangeiros aqui na Terra da Manhã Tranqüila (ou seria Serena? Em português não sei como é que fica... e também não tenho tempo de pensar agora.). Eu achei isso um pouco abisssurdo demais, mas, em se tratando dos coreanos, eu não sei não, eles só ainda não transformam água em vinho porque demora demais e eles querem tudo ppali-ppali...
Então, se vc quiser vir pra cá fazer seu MBA em inglês, dirija-se à junta consular mais próxima de sua casa e boa viagem! ;)
Abraços pra quem fica.
Fui.... pra facu, terminar a prova, às 6 da manhã! hehe

terça-feira, 30 de outubro de 2007

7 minutos!

Gente, tenho 7 minutos pra escrever este post, pois tenho q sair para... adivinhou quem pensou estudar.
Pois é. (Tá virando bordão isso aqui)
Eu tô chocado de ver (e sentir) a síndrome do ppali-ppali (rápido-rápido) q assola a sociedade daqui da Coréia. Acho q dava pra fazer um ótimo trabalho de Sociologia em cima disso.
Os cursos na facu vão de vento em popa, com ajuda de um motorzinho turbo de 10.000HP... Não se a imagem colou, mas ninguém segura isso aqui!
É uma correria danada, é uma coisa medonha.
Desculpem pelo desabafo, mas tenho q falar isso pra alguém. E por que não você, meu caro leitor. Se é que vc existe...
Basicamente as aulas se dão da seguinte forma. Cada semana lemos um ou dois capítulos do livro texto, chegamos na aula já sabendo de tudo (porque senão não dá, né?), escutamos o/a professor/a falando de tudo aquilo (falando, não comentando ou explicando ou elucidando ou ensinando; falando), depois ouvimos apresentações de outros alunos q leram os textos extras, que - por coincidência - tbm só mencionam o q leram. O professor faz um-hum e beleza! A aula tá dada e até semana q vem com mais do mesmo.
Depois chega a prova e você tem que escrever tim-tim por tim-tim o que foi dito e fazer alguma coisa mais de surpresa, só pra não ficar chato, né?
E aí já passou metade do semestre e eu fico me perguntando: "passou por onde, que eu não vi?"
Um abraço e até a próxima. Acho q depois da prova de quinta-feira. Antes, é quase um suicídio.
Juliano.

Ppalli-Ppalli!!!!

sábado, 27 de outubro de 2007

Provas!!! Ou "mid-term exams"...

Lembram-se de quando eu disse que tinha prova na quarta? Pois é.
Foi uma "beleza"...
Não que eu não tenha estudado, ou me esforçado.
É que, realmente, foi o ó.
O que me aconchega é saber que eu não fui o único. Metade da sala saiu chingando o professor, e a outra metade saiu quieta, cabisbaixa e quase chorando...
Foi uma prova trabalhosa e danada de chata.
Acho que para "lingüística computacional" a prova deveria ser mais prática, ou, querendo falar de teoria, que fique só na teoria. Mas o "pobrema" é que ele deu 7 questões, das quais 5 não eram lá assim tão complexas... mas 2 delas.... .... .... eram aplicações práticas de algoritmos de programação dinâmica feitas a mão!

Um deles era o cálculo de mínima distância de Levenshtein (já tratado aqui no blog) e o outro era de Modelos de Markov Ocultos (Hidden Markov Models), além do algoritmo de Viterbi.

Foi "folder"...

Mas, bola pra frente, que ainda tem mais duas provas. Uma delas sendo de surpresa: o professor (da matéria para a qual eu preparei a apresentação de que lhes contei anteriormente) simplesmente ouviu a todas as apresentações na aula passada, comentou isso e aquilo e terminou por dizer: "bem, já que vocês fizeram boas apresentações, não precisam se preocupar muito com a prova da semana que vem", o que foi seguido por um coro: "prova?!"... Ninguém sabia... mas, e daí? Agora tem, e a gente tem que estudar.
Por isso, peço de coração, que todos os que estejam aí lendo isso, façam uma corrente de pensamento positivo no domingo de madrugada para segunda aí no Brasil, quando eu estiver aqui na segunda fazendo a "bendita" prova. OK?
Agora, um abraço pro 6 que eu tenho que estudar.
TéMais

Aquarela

Pois é... Me lembro como se fosse ontem quando via a propaganda da Faber Castell na TV quando era criança. Hoje me deparei com esta animação da mesma música do Toquinho e achei muito boa.
Gostaria de compartilhar com vocês... e descolorirá...

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Nasceu!!!

Gente, não é por nada não, mas se eu reclamava de falta de tempo antes de entrar na SNU, eu retiro TUDO o que eu disse. É um absurdo. Minha impressão é de que tudo o que não fiz no ano passado (e olha que eu fiz bastante), eu estou fazendo agora no mês de outubro.
Por exemplo: amanhã tenho minha primeira apresentação (na USP era chamado de seminário). Vou ficar lá na frente da classe, falando sobre um texto chato que caiu pra mim. Para isso, fiquei desde mais ou menos o meio dia de sábado até agora (4:20 da manhã de segunda), dormindo 6 horas de sábado pra domingo, pra traduzir e preparar a apresentação de daqui a pouco.
Foi difícil, mas de qualquer forma, foi também prazeroso. Fazia tempo que eu não usava coreano de forma "drástica". E foi justamente o que eu fiz nos últimos dias. Tentei usar de tudo o que eu sabia e conseguia me lembrar do um ano de curso que tive. No fim, o resultado até que parece bonito, mas amanhã ainda vou pedir pro meu colega de laboratório dar uma olhadinha pra mim.
Como não tenho confiança ainda no meu coreano falado, acabei escrevendo mais do que o necessário para uma apresentação básica, mas antes sobrar do que faltar. Tenho a impressão de que se eu não ler, eu não vou conseguir falar nada do texto...

De quebra, vai o arquivo pdf do dito-cujo pra ter a estética apreciada por quem quiser. Deu um trabalho desgramado pra fazer isso, mas agora que eu olho pra ele, sinto um "trabalho cumprido" ou seria "trabalho comprido"???

Além disso, ainda tenho uma prova na quarta, e, graças ao laboratório e a esta apresentação, ainda não tive a oportunidade de estudar. Vamos ver se eu sobrevivo!

Abraços a todos, e deixem algum comentário, tá?

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

電算言語學 ou 전산언어학 ou Lingüística Computacional

Já foram 3 semanas de aula na SNU... ufa!
Tem um monte de coisa pra ler e pra fazer...
O mais divertido até agora é o curso de Lingüística Computacional.
Estamos começando a entrar de cabeça nas teorias malucas...
Ai, que saudade da matemática! Fazia tempo que eu não via essas coisas!
Por exemplo:
Para a próxima aula, temos que fazer um programa que mede a distância de Levens(h)tein entre duas strings. É definido por uma matriz formada por cada um dos caracteres de cada string comparados um a um. No final, é isso:

distância[i,j] = mínimo_valor { distância[i-1,j]+constante_de_inserção(alvoi-1), distância[i-1,j-1]+constante_de_substituição(alvoj-1, alvoi-1), distância[i-1,j]+constante_de_apagamento(alvoj-1) }

Divertido, né?

Nem parece lingüística... Mas é! ;)

No final, o programinha em Perl deu o seguinte:

use strict;

my $str1 = $ARGV[0];
my $str2 = $ARGV[1];

print "The distance is " . dist($str1, $str2) . ".\n";

sub dist($str1, $str2) {
my $len1 = length($str1);
my $len2 = length($str2);
my @chars1 = split("", $str1);
my @chars2 = split("", $str2);
my $cost;
my %matrix;

for (my $i = 0; $i <= $len1; ++$i) {
for (my $j = 0; $j <= $len2; ++$j) {
$matrix{$i}{$j} = 0;
$matrix{0}{$j} = $j;
}
$matrix{$i}{0} = $i;
}

for (my $i = 1; $i <= $len1; ++$i) {
for (my $j = 1; $j <= $len2; ++$j) {
if ($chars1[$i-1] eq $chars2[$j-1]) {
$cost = 0
}
else {
$cost = 2;
}
$matrix{$i}{$j} = min([$matrix{$i-1}{$j} + 1, $matrix{$i}{$j-1} + 1, $matrix{$i-1}{$j-1} + $cost]);
}
}

return $matrix{$len1}{$len2};
}

sub min {
my @list = @{$_[0]};
my $min = $list[0];

foreach my $i (@list) {
$min = $i if ($i < $min);
}
return $min;
}

Só para ilustrar, a distância entre "Juliano" e "Fabiano" (muita gente troca meu nome aí no Brasil...) é de "6", já a distância entre "Juliano" e "Serafina" é de "11", ou seja, é bem mais difícil alguém me chamar de Serafina do que de Juliano! ;) hehe
Batata e batatal, dá "1"; café e cafezal, "3"; milho e milharal, "5"... e por aí vai...

Esta é uma técnica usada na correção automática de editores de texto, vulgarmente conhecida como a "linha vermelha debaixo da palavra no M$Word". É claro que só esses numerinhos não servem de nada, mas, como de grão em grão a galinha enche o papo, isso mais um monte de outras coisas faz a correção ortográfica funcionar (mais ou menos). Pra quem pensa que é fácil, vai plantar batata (de preferência no batatal, que dá distância 1; se plantar batata no milharal, a distância de Levenshtein é de 10!)

Claro que eu tive uma ajudinha daqui e dali na internet... hehe Ninguém é de ferro. Mas o que eu tinha que fazer, eu fiz.
O meu grande problema com este programa é que eu não sabia mexer com matrizes em Perl... Mas no fim dá tudo certo.

Agora são 2 e meia da madrugada e eu tô com sono... Nem sei se o que eu tô escrevendo faz sentido ou não, mas eu só quero dizer a todos que eu estou muito feliz aqui na Coréia, estudando o que eu gosto, comendo bastante pimenta e me divertindo!

Torço para que cada um de vocês, meus amigos, não tenham medo de seguir seus sonhos e tentar ser feliz. Não se esqueçam de que a vida é curta e tem um monte de coisas que temos que fazer. Por que então não tentar ser feliz também?

Um grande abraço com muita saudade!

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Muita agua ja passou por debaixo da ponte

Fui a Jeju-do e os muçulmanos fizeram muitos planos mas acabaram decidindo não seqüestrar o avião. :) hehe A viagem foi muito boa, mesmo tendo apenas 3 dias e 2 noites. Por falar em noite, ficamos em um hotel 4 "flores" (em Jeju não se usam estrelas). Hotel muito bomcom duas pessoas por quarto, um pouco longe do centro mas tudo bem. Tínhamos dois ônibus (um de meninos e um de meninas) e visitamos as principais atrações da ilha de norte a sul e de leste a oeste. Como tudo na Coréia, foi meio ppalli-ppalli (rápido) mas tudo bem. Aproveitamos as noites para sair paa barzinhos (chamados HOF) e para norebangs (karaokês). Muito bom.
Voltando a Seul, voltamos também às aulas, mas por pouco tempo. Tivemos aula até a última sexta de julho. Já que as aulas de mestrado começam em setembro, o NIIED resolveu nos dar um mês de férias. Por isso terminanos o curso na metade do livro. Fiquei com um pouco de dó por não chegar ao fim, mas as férias chegaram mais do que na hora. Aproveitei para descansar tudo o que podia e acabei trocando a noite pelo dia. Principalmente depois que comprei um novo computador. O velho já não estava dando mais. Principalmente com a internet ppalli-ppalli (vide acima) que eles têm por aqui que chega a dar uns 2MB/seg. Não há disco que chegue. Além disso, como o computador era meio lento, não dava conta do recado nem mesmo com a internet. Reclamava daqui, reclamava dali, acabei conversando com o Arif (um cara de Bangladesh que já está aqui há 8 anos) e ele me disse que tinha uma placa mãe de Pentium IV que ele não usava mais e que só faltava a memória RAM. Resolvi pegar e fazer o upgrade eu mesmo, mas fui tentar comprar a bendita memória e como era DDR, era mais difícil de achar e mais cara que a DDR2. Acabei indo e vindo 3 vezes na Santa Ifigênia daqui (que, diga-se de passagem, dá de mil a zero na de São Paulo, mas é ainda menor um pouco que Akihabara de Tóquio). No final das contas, consegui achar a abençoada memória e fui montar o computador. Foi aí que vi que precisava de uma nova fonte também de maior potência. Bem, chegou então a um ponto em que eu teria que acabar comprando um monte de coisas novas mais e, por fim, optei por comprar um PC novo de vez. Fui na loja onde havia comprado a RAM e pedi para eles montarem um PC novo dando a RAM como parte do pagamento. Eles aceitaram. Acabei ficando com um Intel Core 2 Duo de 1.6 GHz e 1 GB de RAM + HD de 250 GB. O monitor e os drives de CD, DVD/RAM e floppy eu já tinha dos outros 2 computadores que havia ganhado. Comprei também um teclado novo e um par de caixinhas de som. Tudo acabou ficando por W 295.000. Acho que tá bom. Considerando o monitor LCD widescreen de 17" com sintonizador de TV por W 180.000 e o DVD/RAM por W 40.000, o micro todo saiu por W 515.000. Graças a isso, acabei gastando minhas parcas economias e fiquei as férias em casa mesmo, no calor infernal de agosto, que é o mês dos três "bok" (삼복 三伏), os três períodos mais quentes do ano, quando é de praxe comer comidas quentes para combater "fogo com fogo", chamado de Iyeolchiyeol (이열치열 以熱治熱 = calor parecido cura calor). É nessa época que, reza a tradição, deve-se comer boshintang (보신탕 補身湯), ou melhor, sopa de cachorro. Como eu não podia ficar fora dessa, fui experimentar. Não é nada demais. Se ninguém falar nada, passa por sopa de carnes variadas (meio porco, meio vaca e meio algo que não sei direito, talvez carneiro ou cabrito?). Para mim não foi tão bom porque normalmente não gosto de carne com muita gordura e a maior parte dos nacos tinha bastante. Mas como experiência, valeu a pena. Antes que comecem a falar, carne de cachorro é um tema complicado por aqui também. Principalmente os jovens se recusam terminantemente a comê-la, claro que com excessões). É também mais comum no interior que nas metrópoles. É mais comum com os mais velhos e também com os turistas! Homens também têm uma tendência maior de comer também porque se diz que é uma carne afrodisíaca. No meu caso, comi com a tia da Eun Bee (esta ficou só olhando enquanto a tia se esbaldava e eu apreciava a experiência). O pior de tudo foi achar um restaurante. Acabei apelando para o Lonely Planet que tinha apenas um endereço em toda Seul. De acordo com a tia, não foi dos melhores, mas tampouco estava ruim: veredito final mediano. Disse ela que quando for a Busan, ela vai me levar a um lugar bem melhor. Vamos ver.
Neste momento, estou na Universidade Nacional de Seul esperando a orientação dos estudantes estrangeiros que começará às duas. Cheguei aqui por volta das dez, pois uma vizinha de Taiwan que acabou de chegar aqui na Coréia e ainda não conhece bem a cidade também tinha que vir, mas no caso dela às 10:30 porque ela foi na sessão em chinês. Para mim foi bom pois acabei tendo que sair da toca na parte da manhã, coisa que não fazia havia quase um mês. Isso me faz sentir mais produtivo e ativo. Além do que espero reajustar meu relógio biológico antes que as aulas comecem. Não agüento mais dormir às 5 da manhã e não fazer quase nada durante o dia. Espero que consiga.
Quanto ao tempo, hoje está maravilhoso! O outono já está dando os ares de sua graça. O céu está nublado e um doce ventinho está soprando, refrescando o inferno que estava por aqui. Os dias têm sido bem quentes, por volta dos 30 a 35°C até mesmo à noite. E úmidos! Sempre acima dos 90%. Isso faz-me sentir completamente inutilizado, já que apenas o fato de trocar de roupa, ou qualquer outro tipo de exercício físico banal, já é o bastante para fazer o suor correr às bicas. É realmente absurdo. Para completar, ainda tem o dormitório onde moro que não possui ar condicionado. 24 horas por dia a temperatura do meu quarto se mantém por volta dos 30°C! Durma-se com um calor desses! Ainda bem que é só durante o verão, os outros nove meses restantes do ano são maravilhosamente refrescantes. Tudo bem que esses comentários não deveriam vir de um brasileiro, mas para quem não gosta de futebol, não consegue dançar, gostar de tempo frio não é tão estranho assim, não é?
Bom vou parando por aqui hoje (já são seis páginas do meu caderninho e minha mão está doendo). Não sei quando volto a escrever, mas espero que seja em breve. Quanto a vocês, espero também que escrevam algo para mim de vez em quando. Podem enviar pelos comentários mesmo, ou por e-mail. A todos os meus amigos e parentes, um enorme abraço e muito saudade.

29/08/2007

terça-feira, 3 de julho de 2007

Jejudo, aqui vou eu!

Jejudo (Ilha de Jeju) é uma ilha vulcânica ao sul da península coreana e um dos principais pontos turísticos da Coréia do Sul. E é pra lá que eu estou indo hoje. Ou melhor, daqui a alguns minutos. Todos os bolsistas do governo vamos nos encontrar no aeroporto às 2 horas para de lá irmos à ilha de Jeju (para os nipófilos, um tipo de Okinawa daqui). Vamos ser mais de 60 pessoas e ficaremos duas noites e três dias por lá. Vai ser uma boa viagem, principalmente por ser toda paga pelo governo.

Para mais informações clique aqui (em português, com pouca informação) ou aqui (em inglês, com mais informação).

PS: Um amigo marroquino (muçulmano) acabou de dizer que vai seqüestrar o avião!!! hehe Imagina a cara dos coreanos quando eles se virem com dezenas de estrangeiros dentro do mesmo avião!!! Vai ser muito engraçado!!!

sábado, 23 de junho de 2007

日本語

やっとソウル大学に発表された! 僕が合格したよ^^ 9月から大学院に入るよ。

韓国にいてもう10ヶ月経った
6ヶ月までに僕は英語や日本語をずっと使っていたけど、中級2になってから日本語が段々難しくなってきたよ
今韓国語のせいで、日本語はしゃべれなくなったよ。
本当。
聞き取りはまだ大丈夫だけど。
でも、会話は本当に辛い。しゃべりたいけど、しゃべれない。
日本語でしゃべろうとしても、韓国語が先に口から出てしまうの。
韓国にいるといいけど、僕の愛してる日本語はどこに行っちゃったの???

僕の日本語を殺してしまいました… 

quinta-feira, 14 de junho de 2007

Sufoco...

Os últimos dois meses não foram fáceis, mas acabei sobrevivendo e com saldo positivo. Muita coisa aconteceu desde meu último post e vou tentar escrever um pouco de cada coisa por aqui.
Bem, da última vez eu tinha acabado de começar meu novo curso de coreano (avançado 1), tinha acabado de entrar em contato com os professores da Seoul National University, tinha acabado de pegar aquela aula como ouvinte, e estava também cheio de dúvidas a respeito de meu futuro por aqui. Essa minha preocupação era principalmente a respeito de não ser aceito em nenhuma universidade e ter que voltar para o Brasil com o rabinho entre as pernas. O Instituto Nacional para o Desenvolvimento da Educação Internacional (NIIED em inglês) diz que devemos nos inscrever em pelo menos duas instituições de ensino, no caso de não sermos aceitos por uma delas; eles até dizem que devemos mesmo é fazer a inscrição em três para garantir a nossa bolsa. Caso não sejamos aceitos em nenhuma delas, eles não podem fazer nada e temos que voltar a nossos países de origem. Pois é. Na verdade, eu queria mesmo entrar na Universidade de Seul (a "USP" daqui), mas eu estava ainda com um pé atrás, pois muita gente havia tido seus pedidos negados em pelo menos uma instituição. Foi aí que resolvi jogar na sorte. Fiz a inscrição só na SNU (Seoul National University) e deixei nas mãos de Deus. Outra razão era que não queria ficar pagando cem dólares para cada inscrição, além de ter que pagar para fazer TOEFL para as outras universidades, já que eu não tenho o bendito. No caso da SNU, eles me disseram que aceitariam outros tipos de certificados e, como eu já tinha o Cambridge e o Michigan, eu resolvi atirar no escuro e pagar pra ver.
Bem, acontece que, no final das contas, deu tudo certo. Acabei passando!
Ontem, sexta-feira, dia 22 de junho de 2007, encontrei meu nome no site da Seoul National University! Foi um grande alívio. Quase um ano depois de chegar aqui na Coréia e depois de tanto sufoco para aprender coreano e indecisões quanto ao futuro, ontem tive a resposta definitiva de que mais um grande passo na minha vida foi tomado. Depois de 5 níveis de coreano, do Básico 2, passando por Intermediário 1, Intermediário 2, Avançado 1, chegando ao Avançado 2, agora vou ter a prova cabal do ou vai ou racha! No dia 3 de setembro, isto é, daqui a exatamente 72 dias e um ano depois de começar minhas aulas de coreano, minhas aulas do mestrado começarão.
Espero que todos por aí no Brasil e no resto do mundo torçam por mim e mandei boas energias para que eu possa passar por mais esta fase da minha vida.
Um grande abraço a todos.

terça-feira, 10 de abril de 2007

Gente, não tenho mais tempo...

Tempo é difícil de gerir... E agora as coisas estão ficando cada vez mais apertadas. Mas, no fim, isso é bom. A semana passada foi a primeira semana do meu curso de coreano no nível avançado!!! Olha só! Quem diria! Acabei passando apesar de ter feito a prova com gripe e sem a mínima vontade, recebendo umas notinhas bem fraquinhas, mas deu certo! :) hehe
Na semana passada fui conversar com o professor que está me orientando informalmente e ele disse que quer me ver uma ou duas vezes por semana para treinarmos conversação e pra me dar uns toques a respeito do curso, de professores, etc. Fiquei muito feliz! Ele está me ajudando bastante mesmo. Além disso, acabei pegando uma matéria como aluno ouvinte: Línguas Altaicas. Amanhã será minha primeira aula e já tive lição de casa adiantada. O professor me deu um texto de um livro coreano do século XVIII escrito com caracteres mongóis e traduzido (em coreano antigo, óbvio) para que eu transliterasse em alfabeto romano. Comecei a fazer e achei que estava estranho... Acabei perguntando para uma colega de classe da Mongólia e ela disse que conseguia ler, mas que não tinha o mínimo sentido. Foi aí que minhas suposições se mostraram verdadeiras: o texto era em manchu. Comecei a transliterar, mas fiquei com curiosidade de saber do que se tratava o texto e acabei fazendo uma pesquisinha a respeito. O resultado é que o texto era um "Guia de conversção" para os coreanos que iam à China. Começou como coreano-chiinês, mas depois, com o domínio manchu e a instituição da dinastia Qing, o texto foi traduzido para o manchu e o mongol. O que acabou caindo na minha mão era a versão manchu. Fiquei animado com a pesquisinha e acabei escrevendo um trabalho pequeno ao invés de só entregar a transliteração como o professor havia pedido. Fiquei tão orgulhoso do resultado (apesar de não ser nada de especial) que resolvi colocar aqui pra vocês verem! Cliquem aqui.
Agora eu tenho que dormir. Já passa da uma da manhã e amanhã tenho que acordar cedo...
Um abração a todos!

segunda-feira, 12 de março de 2007

Está chegando a hora...

Gente, desculpa por não escrever muito esses dias. Apesar de ter bastante coisa pra falar, eu peguei uma gripe danada e na quarta e quinta que vem eu vou ter prova final... Tenho que estudar todo o conteúdo do livro e não vai ser fácil. Espero contar com a torcida de todos vocês para que eu me saia bem!

Um grande abraço e até a próxima!

sábado, 24 de fevereiro de 2007

Este é o texto que eu apresentei na minha prova de conversação

注) 日本語訳について ─ 日本語は韓国語通りに訳しました。ちょっと変だけど面白いかも知れない。似ているけど違うでしょう?

여러분, 안녕하십니까?
Bom dia a todos.
皆さん、今日は。

오늘 시험에 제가 뽑은 화제는 "제가 겪은 실수"라는 것입니다.
O tema que sorteei para a prova de hoje é "um erro que cometi".
 今日の試験に私が取った話題は"私が被った誤り"というものです。

우리 외국인들이 다른 나라에서 살 때 실수를 많이 겪지요? 여러분 생각도 그렇습니까? 그래서 제가 겪은 실수가 많아 무슨 이야기를 할까 고민을 많이 했습니다.
Nós, estrangeiros, vivendo em um outro país cometemos muitos erros, não é? Vocês não acham? Por isso, eu fiquei pensando sobre qual erro eu iria falar, já que os erros são muitos.
 我々外国人が他の国で住んでいる時、誤りをたくさん被るでしょう?皆さんもそう思いますか?ですから、私が被った誤りが多く、どの話をしようかちょっと悩みました。

그러나 잘 생각해보니 최근 재미있었던 경우가 생각나 그 이야기를 발표하기로 했습니다.
No entanto, pensando bem, acabei por me decidir em apresentar algo que me aconteceu recentemente.
 それでも、よく考えみたら最近面白い境遇が思い出て、その話を発表することにしました。

2월 10일이였습니다. 그날에 저와 기숙사에 사는 친구랑 같이 63빌딩 옆에 있는 한강신민공원에서 SK회사가 제공하는 "2007 행복날개 연날리기 축제"에 갔습니다. 그리고 같은 날 5시에 도우미를 만날 계획 이었습니다. 저는 서울의 남쪽 지역을 잘 모르는데, 63빌딩이 강남역에서 가깝다고 계속 생각해서 시간에 대해 별로 걱정하지 않았습니다. 그래서 친구들이랑 63빌딩에 밥을 먹으러 갔습니다. 그 때 시간 가는 줄도 모르고 천천히 이야기하면서 밥을 맛있게 먹었습니다. 조금 뒤 4시 반에 도우미에게서 문자가 왔습니다. 저는 도우미에게 곧 출발한다고 했습니다. 하지만 같이 있던 친구들은 5시까지 가려면 시간이 없다고 빨리 가야한다고 했습니다.
Era o dia 10 de fevereiro. Nesse dia, eu e meus amigos que moram no dormitório fomos a um festival promovido pela empresa SK que aconteceu no Parque Hangang Shinmin do lado do Edifício 63. O festival era chamado "Festival de Pipas - Fazendo voar a felicidade". Nesse mesmo dia às cinco horas, eu havia combinado de me encontrar com meu Doumi na estação de Kangnam. Como eu não conheço bem a parte sul de Seul, eu pensava que o Edifício 63 ficava perto da estação de Kangnam e não me preocupei com a hora. Por isso fui com meus amigos comer no Ed. 63. Não percebi a hora passar e comemos e conversamos despreocupadamente. Um pouco depois às quatro e meia, recebi uma mensagem de texto do meu Doumi. Disse então a ele que sairia logo. No entanto, ao dizer isso a meus amigos, todos me disseram que não teria tempo e deveria sair correndo pra tentar chegar às cinco.
 2月10日でした。その日に、私と寄宿舎に住んでいる友だちと一緒に63ビルの横にある漢江新民公園でSK会社が提供した「2007 幸福翼 凧飛ばし祭り」へ行きました。そして、同じ日の5時にトウーミに会う計画でした。私は、ソウルの南の地域をよく知らなくて、63ビルが漢南駅から近いとずっと思ったから、時間について別に気にしませんでした。ですから、友だちと63ビルへご飯を食べに行きました。その時に時間が絶つことも知らずゆっくり話をしながらご飯を美味しくて食べました。ちょっと後で4時半にトウーミからのメッセージが来ました。私はトウーミにしばらく出発すると言いました。だが、一緒にいた友だちは5時まで会いたかったら時間がなくて速く行かなくてはならないと言いました。

좀 서두른 데다가 지하철도 어딘지 모르는 채 택시를 타기로 했습니다. 그리고 강남역까지 멀지 않다고 생각했습니다. 하지만 퇴근시간이라 보나마나 교통이 복잡했습니다. 차가 믿을 수 없이 막혔습니다.
Além de apressado, não sabia direito onde ficava a estação do metrô; resolvi então, de última hora, tomar um táxi pra tentar chegar mais rápido. Além disso, achava que Kangnam não ficava longe. Mas como era hora do rush, obviamente, o trânsito estava muito complicada. Incrivelmente engarrafado.
 ちょっと焦ている上に地下鉄もどこにいるか知らないままタクシーに乗ることにしました。そして、漢南駅まで遠くないと思いました。しかし、退勤時間だからやっぱり交通が複雑でした。車が信じられないほど渋っていました。

택시를 타자마자 운전사 아저씨께서 이야기를 시작했습니다. 한국 사람들이 보통 하는 질문부터 시작해서 이야기를 계속 했습니다. 제가 택시를 타면 보통 운전사 아저씨는 아무 말도 안 하고 운전만 하시는데 이번 택시 아저씨는 달랐습니다. 저에게 그런 경험은 처음이었습니다.
Logo ao entrar no táxi, o motorista começou a falar. Começou com as mesmas perguntas que todos os coreanos fazem, mas, ao contrário, não parou de falar. Normalmente quando eu tomo um táxi, o motorista não fala nada, só dirige. Dessa vez, foi diferente. Foi a primeira vez que isso me aconteceu.
 タクシーに乗った途端、運転士おじさんが話をし始めました。韓国人が普通にする質問から始めて、話をずっとしました。私がタクシーに乗ると普通に運転士おじさんはどの話もしなくて運転だけし、今度タクシーおじさんは違いました。私にこんな経験は初めてでした。

이번 일로 지하철로는 800원이면 갈 수 있었지만 택시를 타서 만원이나 버렸습니다. 게다가 도우미와의 약속에도 늦게 도착했습니다. 하지만 택시 아저씨와 이야기를 많이 나눌 수 있었습니다. 그리고 한국 사람들은 참 정이 많다는 생각을 했습니다.
Com isso, ao contrário dos 800 wons que eu pagaria de metrô, acabei pagando 10000 wons de táxi e ainda cheguei bem atrasado no meu compromisso. No entando, pude conversar bastante com o motorista e perceber que os coreanos são muito amáveis.
 今度のことで地下鉄では800ウォンすると行くことができたのにタクシーに乗ると一万ウォンも使ってしまいました。その上、ドウーミとの約束へも遅く到着しました。しかし、タクシーおじさんと話をたくさん分けることがありました。そして、韓国人はとても情けが多いと思いをしました。

Depois de um mês na seca...

Hoje me encontrei com Eun Bee depois de mais de um mês. Ela veio pra Seul pra ficar por aqui uns seis meses. Ela conseguiu um intercâmbio entre universidades e vai cursar o penúltimo semestre na Universidade Coreana de Estudos Estrangeiros (Hanguk Wegugo Dehakkyo 한국외국어대학교 韓國外國語大學敎). Vai ser bem legal. Além disso, encontrei também com o Prof. Kim, que a partir do próximo mês, será o diretor do departamento de português da Universidade de Estudos Estrangeiros de Pusan (Pusan Wegugo Dehakkyo 부산외국어대학교 釜山外國語大學敎), onde Eun Bee estuda. Tomamos cerveja, comemos Tonkatsu (muito bom) e conversamos sobre um monte de coisas. Começamos a conversar em português, que o professor fala muito bem, mas "para o meu bem", toda a conversa passou para o coreano. E até que eu entendi e participei! A cada dia que passa eu me surpreendo cada vez mais comigo mesmo. No começo parecia que eu nunca iria falar esta língua, mas agora parece que não é tão impossível... é só bem difícil mesmo! hehe
Pois é... cada dia por aqui é uma surpresa melhor que a outra. O único problema é que agora eu estou ansioso para receber o brinquedinho que eu comprei ontem... Eu entro no meu e-mail a cada 10 minutos pra ver se chegou alguma coisa, mas nada... Acho que els não trabalham de sábado... :(
Quando chegar eu aviso pra vocês!
Um abraço!

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2007

Entre erros e acertos

Hoje tive prova de conversação. Tive que fazer uma apresentação de 3 a 5 minutos a respeito de um tema escolhido por sorteio. O tema que acabei tirando foi "algum erro cometido por mim". Como estrangeiros em um país diferente, com língua diferente, costumes diferentes, a gente acaba por cometer alguns erros inevitáveis. Outros, porém, são evitáveis mas a gente comete assim mesmo de burrice. O que escolhi para apresentar foi um dia em que estava no lado sul do rio e tinha que me encontrar depois com um amigo da faculdade na estação de Kangnam que também do lado sul do rio. O que não havia me atentado é que apesar de estarem do mesmo lado do rio, os dois pontos ficam um em cada lado da cidade praticamente. Mas tudo bem. Sei que no desespero resolvi pegar um táxi, ainda achando que era perto, e não é que o "abençoado"demorou mais de meia hora pra chegar até onde eu precisava? Podia ter pago 800 wons no metrô e ter chegado antes, mas achei que de táxi seria melhor. Acabei jogando 10.000 ao vento. Essas coisas servem de lição. E se não fosse isso, eu não teria feito tanta gente rir na aula-prova de hoje. Os alunos gostaram, a professora gostou, e, claro, eu também! hehe
Depois, chegando em casa, resolvi me dar um presente e entrei na internet decidido em comprar um PMP (Portable Media Player ou Tocador de Mídia Portátil). Já estava vendo essas coisas havia tempo, mas nunca me decidia em qual comprar até que vi que um amigo meu que gosta dessas bugigangas havia comprado. Ele comprou um bom aparelho, de 30 GB com tela de 2 polegadas, host USB e o caramba a quatro. Pagou mais ou menos 300.000 por isso. Eu, procurando por algo parecido com o dele, me deparei com algo surreal: 60 GB, tela de 4 polegadas (wide screen), codecs de todas as formas, alto-falantes embutidos, som surround, saída e entrada de áudio/vídeo, bluetooth e uma porção de outras coisas... Me apaixonei à primeira vista! Pois é. Hoje crie coragem e entrei na internet pra fazer minha primeira compra virtual!
Tudo foi bem, entrei no www.naver.com pra escolher o site que oferecia o preço mais baixo, entrei no site, fiz minha inscrição, pus meu endereço, tudo direitinho. Depois chegou na hora de pegar as informações pra fazer o depósito no banco. Copiei tudo direitinho da tela pro papel à mão (já que ainda não tenho impressora), li e reli com todo cuidado e carinho e rumei-me ao banco munido do dinheiro necessário. Chegando lá, precisava dar um número de identificação do depósito que era o número de telefone que eu tinha cadastrado quando entrei no site pela primeira vez. Dei o número do órgão que me trouxe aqui pra Coréia. Na verdade, ACHAVA que era esse o número que eu tinha registrado... Mas não. Eu tinha colocado o número do meu celular mesmo... Eu acabei me confundindo com outro site que não havia aceitado meu número de celular como número de telefone e me mandava colocar um número de telefone fixo. :( Quase morri de preocupação! Pensei que meu rico dinheirinho ia se perder no meio do mar de números das instituições bancárias coreanas!!! Chegando em casa e me apercebendo do tonto que fui, mandei desesperadamente um e-mail explicando a situação e mandei também uma foto do recibo de depósito no valor e na conta que eles mandaram. Passado um pouco recebi um e-mail de confirmação e meu desespero de uma hora se foi! Ah, que alívio!!!

Bem, você pode ver o bichinho que eu comprei aqui:

ou ainda aqui:

fotos:
http://www.iubi.co.kr/product/pmp/pmp_pmpblueA.asp


E o melhor de tudo é que paguei 307.120 wons mais 1000 wons de taxa bancária! Fiquei muito feliz! Pra compensar tantos errinhos, uns acertos de vez em quando não fazem mal! ;)

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

O mundo é pequeno...

Ontem fui convidado pra comer panquecas lituanas na casa do Maru. Na terça-feira de carnaval é costume comer panquecas na Lituânia e lá fomos nós. São panquecas de fécula de batata com cogumelo ou cenoura ralada. Estava tudo muito bom, comemos bastante junto com comida coreana de ano novo e batemos muitos papos. Estávamos eu e Maru, obviamente, Ina (Cazaquistão), Paweł (Polônia) e uma coreana de cujo nome me esqueci... Conversamos, comemos, comemos e comemos. Às dez e meia, resolvi sair e no caminho de volta ao meu dormitório (menos de 50 m), me encontrei com Muni, um queniano com o qual já havia conversado bastante sobre o Brasil e suas raças misturadas. Ele quase passou por mim conversando com um outro cara e, de repente, disse: "Ah, Juliano, eu tenho que apresentar esta pessoa! Este é o Dênis." Nos cumprimentamos em inglês e ele me perguntou de onde eu era e respondi que era do Brasil. E então ele na maior naturalidade respondeu "eu também, sou do Rio.". Até aí tudo em inglês. Eu comecei a falar um pouco de português com ele e acabos trocando e-mails. Quando eu peguei seu cartão, estava escrito seu endereço no Brasil: "Rua Silvestre Ferraz...", quando li, achei estranho porque esse nome é bem comum no sul de Minas e, quando continuei lendo, eu vi "Itajubá". Não acreitei! Itajubá, a terra do Goiaba, vizinho de Santa Rita do Sapucaí onde estudei e pertinho de Bela Vista! O mundo é realmente pequeno... E o mais engraçado é que precisou de um queniano nos apresentar em Seul... Ele veio pra cá pra passar o feriado de ano novo já que mora na China e o feriado lá é a maior migração interna do planeta! Imaginem mais de um bilhão de pessoas se movimentando pra voltar pra cidade natal durante 3 dias! Por isso, ele resolveu vir pra cá e acabou se encontrando com Muni e através dele, comigo. Fomos tomar um chocolate quente e ficamos conversando até mais que meia-noite e nos despedimos, já que ele já tinha outros compromissos para os últimos dois dias de estada aqui na Coréia.
De qualquer forma, não deixo de me surpreender de encontrar um sul-mineiro aqui em Seul.

Até a próxima, com mais notícias da Coréia.

domingo, 18 de fevereiro de 2007

Ano do porco



Eu estava procurando uma foto para o ano novo e aí está! A coréia está infestada por porcos! Feliz ano suíno! (^^)
Posted by Picasa

Lá vamos nós mais uma vez


Já faz tempo que eu postei pela última vez. Peço desculpa a meus amigos pela falta de notícias. Na verdade, nem eu sei o que acontece. Quando cheguei aqui as primeiras duas semanas pareceram dois anos. Agora, um mês passa voando. Já faz um mês desde que postei pela última vez! Que absurdo!
Acho que isso se deve à rotina que começou. Todo dia, acordar às 7, sair às 7:45, começar a aula às 9, sair à 1. Almoçar. Conversar com alguém, estudar um pouco, dar aula às vezes, internet ou TV e dormir. Basicamente isso todo dia. Com isso, os dias têm passado cada vez mais rápido e parece que eu tenho feito cada vez menos coisas. Eu me sinto um pouco um pouco mal com isso às vezes.
Mas, de qualquer forma, não posso dizer que não tenho tido progresso. Meu coreano está melhorando, estou me divertindo com o pessoal daqui do dormitório. De vez em quando passeio um pouco.
Falando em passeio, fui hoje pela terceira vez ao Mercado Filipino, uma feira que tem aqui perto de casa. Fomos eu, Oleg (Rússia), Martin (Eslováquia), Vivi e Sofia (Bulgária) e Jamali (Bangladesh). Almoçamos por lá e vimos os produtos muitos dos quais são muito parecidos com coisas do Brasil. Tem bolinho de mandioca e até chuchu (é com "ch" mesmo né?). Além disso, ainda tem carne. Aqui na Coréia, normalmente as pessoas não comem muita carne, principalmente de boi. Só em ocasiões um pouco mais especiais, mas não no dia-a-dia quotidiano (olha o pleonasmo!). Lá no mercado tem de tudo e até lingüiça! Quando eu tiver um pouco mais de coragem de cozinhar, vou ver se faço uma comidinha mineira com lingüiça das Filipinas, feijão da Índia, arroz coreano... Vamos acochambrando daqui e dali que sai alguma coisa.
Ah, além disso, hoje é dia de ano novo. Ano novo chinês. E também coreano. É uma das datas mais celebradas daqui junto com o festival dos mortos em outubro. Todo mundo vai pro interior visitar os pais e parentes e Seul está relativamente calma. Tem um monte de coreaninhos passeando pela rua vestindo "hanbok" (ver foto), muito bonitinhos. E não se esqueçam, o ano do porco começa oficialmente hoje e é um ano especial. É o ano da riqueza, da fartura, das realizações. Então, vamo mandá bala!

sábado, 10 de fevereiro de 2007

Se puder, ajude...

Ajude a manter a Wikipédia no ar - mesmo sem colocar a mão no bolso!
O BR-Linux.org lançou uma campanha para ajudar a Wikimedia Foundation a manter a Wikipédia no ar. Se você puder doar diretamente, é sempre a melhor opção. Mas se não puder, veja as regras da promoção do BR-Linux e ajude a divulgar - quanto mais divulgação, maior será a doação do BR-Linux, e você ainda concorre a um pen drive!

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007

Inverno

O inverno é tudo de bom! Como eu gosto disso! O "pobrema" é acordar de manhãzinha... Até o sol fica com preguiça e só comça a mostrar sua cara às sete e pouquinho. Isto é, se quero ter tempo pra tomar café, tomar banho, arrumar as coisas, pegar um ônibus que não esteja lotado e chegar com tempo suficiente pra conversar com os amigos e ir pra aula das nove, tenho que acordar quando ainda está escuro. Então, como é muuito chato fazer isso, acordo quase às oito, saio correndo, como no caminho, pego um ônibus quase lotado e chego às nove e pouquinho (com sorte, junto com a professora que deve ter feito o mesmo...).
Outra coisa com que fiquei um pouco chateado é que só nevou duas vezes até agora. Nevar mesmo, nevou mais, mas uma nevinha sem-vergonha que nem apareceu muito caiu algumas outras vezes. Neve, neve de verdade mesmo, só duas. Até agora. Mas tem tempo até fevereiro, quem sabe mais uma ou duas vezes?
A primeira vez que caiu neve, ou melhor Neve com N maiúsculo, estava no meu quarto e escutei um zumzumzum do pessoal nos corredores. Não sabia (e nem queria saber) do que estavam falando, mas então escutei a palavra mágica: "neve!". Olhei pela janela e os flocos eram quase bolas de pinguepongue. No pátio central entre os dormitórios já aparecia uma ou outra pessoa olhando pra cima, principalmente os que vieram de países ou regiões sem neve. Quando vi que o pessoal começou a descer, perguntei-me: "por que não unir-me a eles neste momento de tão belo espetáculo natural?" e uni-me. Desci e quando cheguei o chão já estava branquinho e algumas pessoas timidamente já andavam para lá e para cá olhando, passando a mão, fazendo bolinhas e... finalmente... arremessando tais bolinhas contra a cabeça (ou onde quer que acertasse) das pessoas! hehe Já eram cinco anos desde minha última guerra de neve (é assim que se diz em português?) e resolvi unir-me à batalha. Foi muito bom pra relaxar e esquentar sob os flocos brancos caindo do céu. Tirei fotos, levei boladas e mandei ver também. Ficamos nessa por mais de uma hora. Depois que todos já estavam cansados, alguém começou a fazer um homem de neve e este virou atração internacional: todos tiraram fotos com ele. Chineses, chilenos, russos, mexicanos, bengalis, costarriquenhos, azeris... e o brasileiro que vos fala. :)
Outra coisa boa do inverno é que agora tenho geladeira. Basta colocar as coisas perto da janela que não tem problema. Mesmo o quarto estando um FORNO com todas as letras maiúsculas, a janela, principalmente com um vãozinho aberto, torna-se uma ótima forma de se armazenar produtos perecíveis. E resfriar bebidas também. :)
O verão, ao contrário, é insuportável. É quente, úmido, quente, abafado, quente... Ah, já falei que é muito quente? Pois é, é quente pra chuchu. E entre os meses de agosto e setembro cai uma chuvinha (ironia) ininterrupta que parece que é jogada aos baldes do céu. Só molha menos que o suor produzido pelos seres que se aventuram a ficar fora do ar-condicionado. Por isso, eu ainda prefiro o frio. No frio, basta colocar roupa e tá bom. No calor, você tira tudo e ainda tá sofrendo! Ainda bem que o verão só dura 3 meses! O resto tá tudo bem!

Rapadura é doce, mas não é mole não...

Não tenho (muito) o que reclamar da vida por aqui. Ganho minha bolsa pra estudar. Isso é o melhor de tudo. Ser pago pra fazer algo de que se gosta não deixe ninguém triste.
O dinheiro que recebo aqui não é muito, mas dá pra passar os dias comendo bem, viajando, divertindo-se e até guardando um pouquinho. Eu chamaria isso de um salário mínimo. Um dinheiro que supre as necessidades básicas do ser humano e ainda sobra um pouquinho para o caso de uma emergência ou necessidade imprevista.
Estudar, no entanto, cansa. Tenho quatro horas de aula por dia, cinco dias por semana (e agora apareceram mais duas horas de uma matéria optativa). Isso em sala de aula. As professoras, entretanto, pedem que se estude em casa, no mínimo, mais quatro ou cinco horas por dia. Não tem quem agüente isso! Eu, pra falar a verdade, estudo uma ou duas horas a mais, no máximo. Não tenho paciência e cabeça para mais que isso. O bom é que também se aprende divertindo. Se ligo a TV, escuto uma música, saio pra comer, tenho que fazer uso da língua: entender o que dizem e falar com as pessoas. Isso é muito bom. Acho que isso ensina mais do que ficar com a cabeça enfiada nos livros o dia inteiro. É claro que estudar é importante, mas praticar o que está amontoado na cabeça também o é.

Acho que acabei me desabafando um pouco neste post...

De qualquer forma, não estou reclamando. Estou apenas constatando um fato.
Bem, agora estou no quarto nível de língua coreana: "intermediário dois". Quando cheguei, já entrei no "básico dois" e passei por esse e pelo "intermediário um" com média A (sem louvor). Claro que fiquei feliz com o resultado, mas ainda não estou contente com minha expressão oral. Parece uma coisa de lua. Tem dia que acordo falando pelos cotovelos, tem dia que não sai nem a coisa mais básica. Depende também de com quem esteja falando. Às vezes sai com uma facilidade incrível e batemos o maior papo. Às vezes, fico penando para achar aquela palavrinha mais idiota e meu interlocutor fica achando que eu sou um pobrezinho estrangeiro que só sabe falar inglês... E aí, eles ficam tentando falar inglês e eu, tentando falar coreano, até que ninguém se entende mais. :) hehe

Pesquisar em blogues de brasileiros na Coreia

Resultado da pesquisa